quinta-feira, 9 de março de 2017

A Escola do Terror - Opinião


Título: A Escola do Terror
Autora: Diana Pinto
Nº de Páginas: 206
Editora: Chiado Editora
ISBN: 978-989-51-5085-4
P.V.P: 11.00€

Sinopse: Uma escola. Vários alunos. Uma turma. A Angelina acaba de chegar à escola sem saber o que a espera. Rapidamente descobre que está no meio de colegas estranhos. Vários assassinatos ocorrem no estabelecimento escolar sem motivo aparente. Os colegas são tudo menos boas pessoas. O mundo escolar pede estudo e empenho, mas nesta turma existe tudo menos isso. Apostas entre alunos, mudanças e escolhas. Quem fala que os adolescentes são bons está certamente enganado.
Será que a Angelina saberá escolher bem as companhias?

Sobre a autora:  Diana Pinto nasceu em Lisboa em 1995. O gosto pela leitura iniciou-se na infância. No início lia apenas livros infantis, mas depressa a sua preferência passaram a ser os livros policiais.
O gosto pela escrita também veio cedo após começar a escrever pequenos textos para aperfeiçoar a sua caligrafia.

Opinião: "A Escola do Terror", é um livro que me levou a ter muitas dúvidas . A começar com uma certa incerteza se iria gostar ou não da história, depois uma tentativa para não gostar por achar que infelizmente a revisão do livro não era nada boa, mas no fim acabei por gostar minimamente do livro.

Escrito por uma jovem da minha idade e com muito imaginação, digamos, neste livro podemos encontrar uma história muito diferente de todas as que estamos habituadas a ler e a ouvir. Desde sempre que se ouve falar de adolescentes que se tornam assassinos e que mesmo não sendo têm aquele desejo de matar.
Também  ouvimos falar de massacres em escolas e não só, a verdade é que a comunicação social não ajuda em nada a que jovens que já têm este desejo não o façam, a informação é muito fácil de arranjar.
Neste livro conhecemos a história de uma turma (9ºC) que tem alunos muito estranhos, um grupo que se intitula de assassinos, duas raparigas muito estranhas que têm um olhar muito cúmplice e que só se dão entre elas, e depois os restantes alunos que como não fazem parte do grupo de assassinos não sabe de nada e esta sempre a estranhar as suas atitudes (não pode haver relações, nem de amizade, nem de namoro entre pessoas do grupo de assassinos e pessoas de fora do grupo), logo no início do livro começamos a ter conhecimento da morte de alguns professores daquela turma e claro que dentro do grupo de assassinos é sempre um deles que o faz, até que começam a acontecer homicídios sem que nenhum deles seja o culpado.
Durante todo o livro vamos ficando a conhecer as várias relações entre os alunos da turma e o que acontece com cada uma.
 Aquela que acreditávamos no início ser a protagonista simplesmente é uma nova aluna da turma e quase não aparece no princípio do livro. Quem nunca imaginamos ser assassinos na realidade são e quem pensávamos ser maus afinal até são bons.
Foi uma boa ideia de enredo sem sombra de dúvidas, mas houveram alguns aspectos que me deixaram um pouco desconfortável: 
1º- temos uma história com bom enredo mas com uma má organização
 2º - a revisão do livro foi mal feita e existem muitos erros a nível de escrita
 3º - a construção das frases está mal feita na grande maioria das vezes
 4º - chegamos a um momento em que já não sabemos quem pertence ao grupo de assassinos e quem não pertence
 5º - existem muitas personagens e falta de descrição, ou melhor uma má descrição, como por exemplo esta tem cabelo castanho e olhos castanhos, é simpática e pronto mais nada.
Apesar de todos estes pequenos grandes pormenores negativos o final da história foi muito bom o que me levou a dar 3 estrelas e não 1,5 . 
Antes de mais temos que nos lembrar que este é o primeiro livro desta autora e que os erros podem ser corrigidos. Também temos que ter em mente que infelizmente no nosso sistema de ensino o Português às vezes não é ensinado da melhor forma, dizem-nos como escrever crítica mas só nos dão os tópicos, dizem-nos como escrever uma história mas não nos dão oportunidade para treinar e aprender mais, limitam-se a ensinar-nos coisas sobre certos autores clássicos e ensinam-nos alguns livros.
Mas com isto não aprendemos a ser escritores nem a construirmos um mundo imaginário. Isso temos que aprender sozinhos.

Com apoio:

A vossa Gothic Clare

Enviar um comentário